Mal me quer

A mulher nasce, cresce, torna-se adolescente, descobre seus hormônios, faz suas escolhas, trabalha, corta o cabelo , coloca tranças, compra sua casa, tem seus filhos, muitas sozinhas, muitas mesmo, tocam suas vidas, estão onde querem, né?


Chegamos onde queríamos então?! Acabou o texto aqui ?!


Não, apesar de todo esse trabalho , de chegarmos cansadas em casa após toda essa jornada, ainda assim somos “mal amadas”!


Eu dou um exemplo :
Uma fila de banco, uma pessoa vem e fura. A mulher que está aguardando na fila reclama, e pronto, temos uma mal amada.
Uma empresa atribulada de trabalho, uma mulher com mais tarefas que outras pessoas, com salário menor que outras pessoas, não está de bom humor, ali está uma mal amada.
Uma mãe solo, chega em casa com seus filhos, cansada, vizinhos com som alto na sua janela, ela pede que o volume seja baixo. Adivinha o que ela é? Exatamente, mal amada!


Acabei dando três exemplos né? Mas tenho certeza que você que tá lendo lembrou de tantos outros.
A questão é: por que mesmo diante de tantas conquistas, tanto trabalho, tanto cansaço, estamos sempre fadadas a sermos mal amadas se não tivermos um homem ao lado ?

A condição social não importa , ricas solteiras são tão mal amadas quanto mulheres com pouco dinheiro.
De quantas coachs, livros de auto ajuda, palestras ainda vamos precisar para que a sociedade entenda que não é o amor de um homem que nos faz um bem me quer, não é o que valida o nosso humor, e que não mede nossa felicidade?!

Como você se torna uma mulher mal amada? Como você deixa se ser mal amada? Em que momento você classifica mulheres pela falta de uma companhia ?


A ironia é que nos divertíamos arrancando as pétalas da flor torcendo para que um final feliz viesse dali.

E se por acaso já ouviu de alguém que é mal amada, não arranque sua própria pétala por isso, não procure o bem-me-quer fora da sua flor. Apenas admire sua capacidade de ser bem e mal me quer.


Respeitar alguém sem julgar sua vida pessoal é um muito difícil numa sociedade que nega seu machismo. Em qualquer situação, lembre ou até mesmo finja que a próxima pétala é sempre bem me quer.


Como diz a canção de Lulu Santos: “para todo mal, há cura”.

Lidiane David
Mãe, negra, estudante de jornalismo, ativista comunitária
Idealizadora da Creche Casa de Mãe

Foto: Ale Almeida