GUERREIRA

Você já ouviu a seguinte frase : Parabéns, és uma guerreira ?!

Já te soou estranho ser chamada de ” guerreira ” sem nunca nem sequer ter sido convidada pra guerra em questão??

Todos os dias milhares de mulheres Brasileiras, sejam elas mães ou não, pegam o ônibus/metrô lotado, trabalham , escutam os mais diversos desaforos, voltam pra casa muito cansadas e provavelmente acumulam mais coisas ao fim do seus dias, desejando somente uma boa cama pra dormir .

São pessoas que lutam , uma batalha que jamais puderam escolher.

Elas são obrigadas a acordar e encarar mais luta, mais batalhas, mais guerras … Não me refiro somente a luta com emprego propriamente dito, as vezes é uma batalha emocional, física, sofrida.

Mas eu quero mesmo é chegar ao ponto que começamos, o tal “nossa que baita guerreira ” com todas as doses de elogio que essa frase NÃO merece.

Não romantizar a luta diária e silenciosa também é empatia.

Respeitar o cansaço e até o mau humor dessas mulheres, entender que o protagonismo nessa guerra diária não é uma escolha, não é uma decisão e tá longe de ser um elogio.

A “guerra” não vai acabar hoje eu sei, mas se estiver lendo esse texto prestes a enfrentar mais um dia de trabalho, saiba que eu desejo que tudo seja mais fácil, mas acessível e mais rápido pelo menos nesse dia, e que vestir a fantasia de Guerreira seja SEMPRE uma escolha.

Lidiane David – Ativista Comunitária e estudante de jornalismo